segunda-feira, 21 de maio de 2012

caminhadas

Durante toda a nossa caminhada cometemos erros, acertamos, conhecemos pessoas que nos fazem bens temporários e as que nos fazem bem realmente. As nossas vitórias são efémeras e construtivas, assim como os nossos erros, embora sejam os erros que mais nos marcam. Mesmo com tantos erros, a vida dá-nos (ou deveria dar) sempre a oportunidade de novos desafios, para que assim possamos reerguer-nos, pagar o débito e termos uma nova chance de vitória. Com a experiência de cada erro, podemos decidir o rumo a tomar em relação às nossas decisões e partir daí, cabe-nos decidir consertar ou persistir no erro. Em relação às pessoas, é fácil decifrar e distinguir a qual classe cada uma pertence. Aquelas que nos ‘apoiam’ em farras, bebedeiras… não são os mesmos que nos apoiam nas nossas dificuldades. Precisamente aqueles que julgamos e com quem discutimos por tentarem  ajudar são os que nos estendem a mão na hora de levantar da queda. Independentemente do nosso erro esses estarão lá para nos ajudar, dar os seus conselhos e deixar-nos livres para fazermos novamente a escolha que queremos.  Não é fácil tentar agir correctamente, mas é  no que é fácil que o mal está presente e tudo o que é fácil não tem um bom final. Todos os obstáculos, por mais difíceis que sejam de ultrapassar têm um bom fim, nem que seja apenas pelo sabor da vitória.


meus seguidores.